Goiás x Inter – O campeonato não acabou

É tão diferente assistir ao jogo do Inter sem precisar fazer cálculos. Sem pressão de quantos pontos faltam para a volta para a série A. Simplesmente assistir.

Jogo fora de casa e já garantido em sua principal meta. Uma situação em que eu não esperava vitória e nem boa atuação.

Os três pontos vieram. Dos pés de Pottker em um segundo tempo inspirado e em grande parte pela boa partida de Camilo com cruzamentos perfeitos. E foi dessa dupla que veio o placar de 2×0.

Cuesta, Damião e D’Ale retornaram e juntos trouxeram a qualidade insubstituível que tem hoje. Thales, Edenilson e D’Ale foram os que mais chegaram a frente. Thales marcou mas foi anulado.

A postura do time foi diferente. Fora de casa, mesmo com dificuldades, foi ofensivo dentro das suas possibilidades. Com cinco chegadas a frente no primeiro tempo e quatro na etapa final, a vitória veio trazendo emoção para a última rodada do campeonato.

Dois pontos de diferença para o América MG. Última partida da temporada em casa. A possibilidade do título que havia ficado para trás renasce. E a cada rodada a torcida colorada lida com um sentimento diferente.

Já fomos líder isolado, já estivemos muitos pontos a frente, já deixamos encostar e até nos passarmos. Na próxima semana podemos levar o campeonato, mas com tantos altos e baixos é a reformulação do time o que tanto queremos daqui pra frente. Mais do que a taça.

Saudações coloradas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

About Simone Kuiava

Simone Kuiava
"Lembro-me ainda pequena, folheando o jornal a partir das últimas páginas, a atenção que me chamava aquele time de camisa vermelha e detalhes brancos. Não eram notícias de títulos tampouco de grandes contratações. Era apenas mais uma partida de um time que sempre ficava pelo meio da tabela. Mas porque uma criança se entreteria por algo assim? Por amor. Apenas isso explica essa empatia imediata! Um sentimento puro, sem esperar trocas, gostar por gostar! Sentir aquela vontade insuportável de torcer e de vibrar. Odiar e amar em um intervalo de 90 minutos, e cada vez mais se envolver. Eu me tornei colorada dessa forma: amando à primeira vista."

4 comments

  1. jaldemir Candido dos Santos
    jaldemir Candido dos Santos

    Boa tarde Brigoni. Tive a oportunidade de conhecer uma colega admirável Chamada Eliane Brigoni. Caso parente um grande abraço. Quanto ao nosso Inter Simone, é lamentável que somente na penúltima rodada para a maioria da Nação Vermelho e branco a tranquilidade foi concedida. Não merecíamos este sofrimento porque nunca desacreditamos, tampouco O abandonamos! Sempre afirmamos que time grande não cai! E continuo afirmando. Apenas esqueceu para o que veio: Desfilar na Série B, com toda a sua fidalguia, humildade e respeito mostrando sua Beleza e por que no Rio Grande do Sul o “Papai é o Maior”… agora, vamos concluir o Calendário, e nada mais a oferecer que uma bela apresentação em nosso “Colosso da Beira-Rio”, e se for ainda assim vontade dos Deuses do Futebol, por ou não ironia do destino, reafirmar o “Campeão de Tudo”!Grande abraço!

  2. Não pude assitir ao jogo ontem por comprimissos no trabalho, mas coloquei para gravar, quando voltei, pude de novo assistir só dez minutos iniciais e tive que sair, hoje vou ver se consigo assistir o resto do jogo, mas os primeiros dez minutos que vi, foram tenebras. Cheguei mais uma vez na conclusão que já havia chegado antes COMO ELENCO SOMOS INSUFICIENTES PARA ENCARAR A ELITE EM 2018.

  3. bike boy colorado

    Olá Simone, é um pouco mais tranquilo assistir a mais uma partida do nosso Colorado, já com a certeza que estamos na série A. Primeiro ponto. Segundo ponto é que o nosso primeiro tempo foi de doer. De vontade de ir chorar num cantinho e lá ficar por um bom tempo. Que futebol tosco, atrasado e mal jogado. Ainda comentei com meu filho, assistindo e sofrendo que se não mudarmos a nossa concepção na prática de uma coisa mais parecida com jogo de futebol em 2019 estaremos de volta à série B.

    Intervalo de jogo, sou convocado pela Exma. esposa para buscá-la na trabalho. Ainda a caminho da realização da nobre tarefa, invocado, vou maquinando. Vou transcrever mais ou menos meus pensamentos, que foram os seguintes:
    O presidente de um time de futebol, no nosso caso o Marcelo Medeiros deveria ser o cara que mais entendesse de futebol. Ele que tem o poder e a caneta na mão. Para que quando o time tivesse apresentando em campo aquele futebol burocrático, lento, previsível, sem intensidade,sem ambição, sem tabelas, triangulações, aproximações, infiltrações, etc, chamasse o seu vice de futebol e perguntasse cobrando se era possível jogar menos de que aquilo, jogar pior. E exigir através de seu diretor, seguindo a hierarquia um futebol no mínimo mais decente, mais competitivo.

    Após embarcar a patroa no veículo automotivo, uma passadinha no súper, cheguei em casa, olho no placar, Goi 0 x Int 2. Quem fez os gols? Dois do Pottker, responde o filhão, dois passes do Camilo. Quem saiu para a entrada do Camilo? O Sasha.
    Mas o Goiás, quando estava 0 x 0 fez um gol legal, que foi mal anulado, disse o meu interlocutor! Bueno, falei, às vezes eles erram contra nós. Arbitragem é assim mesmo, concluí!
    Fiquei olhando o resto do jogo, devia falta uns 20 ou 25′ para terminar, o time estava mais calmo, tocando a bola, jogadores se procurando para jogar. Até o Talibã lançou uma bola com a mão quase no meio de campo num passe perfeito para um atleta nosso. Raro ver isso ultimamente!
    Camilo no banco com Sasha de titular é um atentado ao bom senso.
    Pottker jogar lá na linha lateral na ponta direita é uma afronta à inteligência.
    E dizer que um dia já acreditei no Winck achando que o problema dele era a falta de sequência pelas seguidas lesões. Parece que o Bufarini está chegando!

    Concordo Simone que precisava reformular nosso elenco, mas principalmente no meu modo de ver, nossa maneira de praticar o futebol. Nosso vizinho, sem grandes investimentos, com um elenco que em determinada época era queimado pelo 7 x 1 mudou sua concepção de jogo e está colhendo frutos. Não precisamos reinventar a roda, seguindo o lema dos escoteiros – Sempre alerta – já ajuda!

  4. O que não aguento é ver Winck e Sacha.É horrível. É tem gente que acha que eles são bons,pode ser para genros.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*